A Mediocridade dos Homogêneos Conformados

A Mediocridade dos Homogêneos Conformados
Compartilhe nosso conteúdo.
Share on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on Facebook

A formação de equipes de alto desempenho é um desafio presente na realidade dos gestores de empresas brasileiras. Em geral esses tem um caminho longo e tortuoso até o êxito. Nesse caminho devem integrar à sua rotina a prática de recrutar, orientar, avaliar e treinar pessoas.

Tenho dedicado em minha vida profissional um bom tempo apoiando gestores na construção de equipes de alto desempenho. Observo com frequência a armadilha da “Mediocridade dos Homogêneos Conformados” presente no modus operandi do líder empenhado na formação do seu time.

Essa anomalia existe quando um líder recruta para sua equipe pessoas com personalidades semelhantes as suas. Age assim em nome de uma pseudo-homogeneidade de princípios que por sua vez infunde uma conformação nos comportamentos esperados pelas pessoas.

Assim se o líder é lógico, analítico e introspectivo tenderá formar uma equipe de lógicos-analíticos-introspectivos. Sendo humano, sensitivo e espontâneo tenderá a formar um time com as mesmas características.

Nesse cenário aqueles que não têm o perfil homogêneo precisam se conformar. Todo o coaching, mentoring, feedback e treinamento vão no sentido de mudá-lo para enquadrá-lo no perfil desejado pelo líder e outros membros do time com perfil “alinhado”. O insucesso é uma questão de tempo. Se a pessoa alvo, tiver boa auto-estima, oportunidades e alternativas de carreia saíra da empresa. Caso contrário, aumentará a relação dos que fazem parte da “mediocridade dos homogêneos conformados” dentro da organização.

É papel do líder enxergar que uma equipe de alto desempenho também se constrói na diversidade das personalidades de seus componentes. Saber administrar as diferenças é competência essencial. A dinâmica dos mercados, clientes, concorrentes e fornecedores reflete a dinâmica do ser humano em nossa sociedade moderna. Sem pessoas diferentes e com suas competências diferentes impossível nos é alcançar a excelência.

Para formar equipes de alto desempenho não se dedique a formar um time de homogêneos conformados,busque o alinhamento nos valores das pessoas que compõem a equipe,no que passar disso, a diversidade de personalidades deve estar à serviço da complementariedade necessária a toda grande equipe. Seu esforço se voltará a ajudá-los a se entenderem e priorizarem o coletivo em detrimento do individual.

Forte abraço,

Marcelo Andrade – Exmerare

Compartilhe nosso conteúdo.
Share on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on Facebook

comentários